domingo, 29 de abril de 2012

Capitulo 4 - Revoluções


Tumblr_ksm35fb9ul1qzl1oeo1_500_large
...Me virei e vi Emily com um vestido azul brilhante,sua maquiagem estava perfeitamente feita,e os cabelos levemente enrolados.Tomei ar e a encarei.

-Você parece que saio de um daqueles clips cafonas de Rock! - disse ela rindo eu olhei para mim mesma, estava vestindo uma camiseta dos Ramones, um shorts rasgado, meu cabelo vermelho estava meio bagunçado, e usava um all star velho. - Eu estava agora com Matt, ou poderia chama-lo de Jeffer?

-Sua vaca! - falei com raiva, ela continuava a dar aquela risada irritante se divertindo com minha fúria repentina.

-Vamos nos divertir um pouco?

Ela correu ate mim e puxou meus cabelos pena raiz, eu gritei de dor e tentei aranha-la, mas ela era veloz, ela me jogou no chão e com a mão lançou o poder da dor em mim, eu gemia e gritava, gritava tanto.Aquilo era como te jogarem no fogo e você sentir seu corpo inteiro queimar.

-Coitadinha, tão frágil.Chore Caroline!Quero ver você chorar e implorar misericordia!Cade aquela menininha que vivia chorando antigamente?Sei que ela ainda esta ai!Você não tem ninguém.Ninguém te ama,Ninguém ira te salvar!

Ela começou a me enforcar eu soluçava, não vinha ar, eu precisava de ar...ouvi um estrondo, olhei para o lado e vi que a porta fora derrubada, nesse segundo Emily desapareceu, vi na porta Will, ele estava somente de cueca e vinha ate mim assustado.Ele me ajudou a levantar do chão com cuidado.

-O que aconteceu?- disse ele olhando para os lados.

-Ela...ela queria me matar - eu respirava com dificuldade. - ela fugio...aquela vadia...

-Calma, vou te buscar um copo de agua!

Ele se virou e foi ate a cozinha buscar agua.Quando ele se virou para minha surpresa ele tinha nas costas assas, uma tatuagem de assas.Elas eram meio distorcidas, e com alguns símbolos, diferente das tatuagens dos anjos que conhecia, ele não podia ser um anjo.Ele logo voltou com um copo de agua, eu o peguei tremendo e dei um longo gole.Ele levantou a cabeça dando um sorriso.

-Você esta só de cuecas...

-Digamos que quando ouvi seus gritos não era só você que gritava.

-Oh...-eu fiquei constrangida e muito vermelha ele percebeu e deu risada. - Você a deixou...

-Sim a deixei de 4 na cama...

Abri a boca e ele deu uma longa risada, eu fiquei morrendo de vergonha e olhei pra baixo.

-Tatuagem legal nas suas costas...

-Você acha?Acho que eu estava bêbado quando fiz ela.

-Foi um tatuador que fez?

-Foi...quem mais a faria? - perguntou ele confuso, eu suspirei de alivio.Ele não era um anjo. - Você ta melhor?

-Sim, não se preocupe sou forte- eu disse sorrindo.

-Eu costumava dizer isso...

-E agora o que você diz?

-Nada,eu não digo nada.

Ficamos nos olhando, ele estava tão perto, podia sentir seu calor, meu coração bati tão rápido a uma velocidade que eu não conhecia.

-Você já pode voltar, eu vou ficar bem.

-Tentaram te matar!Eu não vou a lugar algum, para de fingir que não está assutada!Pode chorar.

-Eu não quero chorar...

E logo em seguida enterrei minha cabeça nas almofadas.Chorei baixinho,ouvi ele saindo do meu lado para levar o copo para a cozinha.E então ouvi um gritinho.

- O que aconteceu aqui Carol? - perguntou Bruna entrando e olhando a porta no chão.Ela levemente abaixou sua camiseta que estava esrito: I S2 NY.


-Emily esteve aqui!

-Não é possível!Você esta bem?

Olhei pra ela fazendo uma careta.

-Pergunta idiota!Pera se ela esta aqui ...Jeffer esta aqui?

-Provavelmente!- falei pulando do sofá e ligando os fatos sorrindo. - Jeffer está aqui?!

-Quem é Jeffer? - Will estava parado perto de nós.

-O namorado ela. - disse Bruna levantando a cabeça.

-Não sabia que você tinha namorado.

-É complicado, obrigado pela ajuda Will, você já pode ir, sua amiguinha deve estar te esperando - disse eu seria, e ele abriu a boca mas não falou nada, ele olhou para Bruna e arregalou os olhos.

-Desculpa, te confundi com uma pessoa...- disse ele dando um sorriso de desculpas para Bruna e indo embora.

-Uau!O que vocês dois estavam fazendo?

-Bruna!- eu disse irritada, ela riu da minha cara - O que era a premonição de Daniel?

-Vixi historia longa!Mas agora vamos, temos que encontrar Jeffer!


Bruna conseguiu sentir um poder realmente forte perto de um bar no subúrbio de Washington, pegamos um taxi e corremos para lá.No taxi eu e Bruna ficamos em silencio pensando, as vezes olhávamos uma para a outra e sorriamos otimistas, ao chegar ao locar desejado pagamos o taxista e saímos do carro.

-Fique parada! - disse Bruna com urgência - Uma borboleta pousou em você!

A borboleta saiu de meu ombro e voou para a calçada, ela era preta e amarela.

-Borboletas dão sorte- disse Bruna.

A borboleta voou e nos a seguimos.Decidimos na hora segui-la, ela voou para um beco, fomos para lá confiantes com passos curtos.Ao virarmos no beco eu o vi...Jeffer.O cabelo preto estava um pouco mais curto, ele usava roupas de marca, os olhos verdes continuavam lá mas estavam diferentes, distantes, vazios.Mas era o meu amor, era o meu Jeffer, mais lindo , vivo, do que antes.Aquele não era somente um sonho, era real.

-Jeffer! - gritei sorrindo.

Ele me olhou e para minha dor ele me olhou com rancor.

-Jeffer sou eu Bruna e a Caroline!Pode nos reconhecer?

-Eu conheço vocês - ele disse serio, eu olhei para Bruna e nos sorrimos confiantes - eu tenho que mata-las!Vocês roubaram tudo o que eu tinha.

-Do que esta falando Jeffer? - perguntei confusa e com um aperto no coração.

-Pare de me chamar de Jeffer, meu nome é Matt, o que vocês fizeram com Emily?

-Aquela vadia tentou me matar! - gritei desesperada.

-Não ouse falar assim dela.Eu quero minha memoria de volta Bruna, sei que a pegou.

-Eu não peguei nada!Emily está mentindo para você!Você é Jeffer, você deu sua alma a Emily para salvar Caroline!Tente se lembrar, sua memoria voltara se você se esforçar...

-Esta mentindo- ele dizia com certeza e firmeza - Eu sei da verdade.

Aquele eu estava parado na minha frente não era Jeffer, não podia ser.Eu estava com tanta saudade, sentindo tanta falta dele.Dei passos em sua direção, ele me olhou sem entender, eu parei na sua frente e olhei seus olhos verdes, aqueles olhos que eu amava e sentia falta, ele estava na minha frente.Sem pensar o abracei, dei um abraço apertado nele.Senti seu calor, me sentia em casa nos seus braços, me sentia viva novamente, mas ele me empurrou, eu cai na calçada e olhei assustada para ele.

-Não me toque!- ele disse furioso e seus olhos mudaram de cor e ficaram brancos.

-Caro...vamos- disse Bruna me levantando quase chorando -Um dia ele ira lembrar, mas não sera hoje.

Eu o olhei novamente,surpresa,não havia sentimento em sua cara, era uma mascara.Fui embora sem olhar para trás,não suportaria olhar mais uma vez seu rosto, ele não me amava, ele tinha ódio por mim, ele não sentia nada.Isso doí mais do que qualquer coisa no mundo.Era como se colocasem sal em meus cortes.
Tumblr_lv18drxllw1r2em9ao1_500_large

Eu estava no hotel, Emily tinha chegado e estava tomando banho.Eu não contei que encontrei Bruna e Caroline, deitei na cama e fiquei pensando nas coisas que elas falavam.Aquilo não fazia sentido, nada mais fazia sentido.Eu era um arcanjo, disso eu tinha certeza.Fechei os olhos e veio a imagem de Caroline, tão diferente da menina do cemitério, os cabelos vermelhos, aquele jeito visual rock despojado, era estranho falar que ela me seduzia?Que o abraço dela me causou algumas borboletas no estomago?Não,vou dormir.



No dia seguinte, eu estava sentada no sofá enrolada no cobertor assistindo ao show do Guns N Roses de 1992,Bruna fez tudo aquilo para ver se eu me sentia melhor.Na verdade nada poderia me fazer ficar melhor, mas eu agradecia estar com minha amiga anjinha do que sozinha, tinha medo do que poderia fazer.Ela arrumou a porta e agora estava comendo pipoca ao meu lado.

-Chegueii! - gritou Daniel abrindo a porta.-Carol meu pressentimento sabe qual foi?

-Não!Tava pensando nisso agora, qual foi?-disse eu rindo já imaginando a sua resposta.

-Foi que a liquidação de cachorros-quentes era hoje!Imagina a cara da Bruna quando viu que era isso- Daniel começo a rir e depois viu que Bruna estava ali olhando feio para ele - Opa você ta ae Bruna?

-Sabe você tem sorte por se importar com cachorros-quentes, melhor do que um cachorro de um ex namorado que te magoa!

-Ele esta sem memoria Carol! - disse bruna me reprendendo.

-Mesmo sem memoria não é assim que se trata uma mulher!-parei por um minuto e sai do sofá. - Gente fiquem a vontade preciso sair um pouco sozinha pra pensar.

Andei pelas ruas,eu andei levantando a cabeça,chega de ficar no sofá se lamentando,isso só vai piorar as coisas.Então corri dos anjos.Eu precisava ter um momento só meu.Andei sem rumo, deixando me levar.Jeffer, quantas vezes eu já não falei esse nome, ou pensei nesse nome?Muitas vezes.Acho que se abrissem minha mente só viriam ele, somente ele,foi meu primeiro amor o meu único amor e sempre sera mas agora eu precisava de tempo,ele precisava lembrar das coisas sozinho,não adiantava eu tentar mudar as coisas, eu sabia que no final tudo daria certo, tinha que dar.Ate que percebi que o orfanato estava a frente,havia uma criança chorando,uma mulher a puxava, a criança não queria entrar lá dentro.Prestei atenção no que ela falava.

-Não, por favor fique comigo!Prometo ser uma boa menina, não me devolva,não quero voltar aqui!

Deduzi que a mulher havia a adotado e agora a estava devolvendo.Como se aquela criança fosse uma mercadoria.Aquilo tocou meu coração.Pensei em Will sendo aquela criança.Corri de volta pra minha rua o mais rápido possível, bati na casa de Will rápido.Quando ele abriu a porta eu fiquei sem fala.O que realmente pretendia falar a ele?Eu entendo o que você sofre?

-Você esta mais pálida do que de costume! - ele disse arregalando os olhos que percebi que estavam vermelhos, ele havia fumado e o alito cheirava a álcool.

-Will, posso entrar?

Will acentiu e então eu entrei, a casa agora havia pôsteres nas paredes, garrafas vazias de decoração e roupas espalhadas pela casa.Tipica casa de um solteiro.

-O que aconteceu?- disse ele indo se sentar num sofã velho.Eu o segui e me sentei ao seu lado.

-Descobri hoje que a razão da minha existência me odeia.

-Ui, agora fodeu em! -disse ele coçando seu cabelo.-Mas agora se pode sair pegando geral, lado possitivo!

-Você não me engana Will! - eu disse me aproximando dele olhando em seus olhos, ele desvio o olhar. - Eu sei que você não é tão durão como aparenta,se afoga em bebidas e drogas para esquecer, você se importa comigo, você tem sentimentos muito bons e os esconde, esconde o seu melhor lado, por que?

-Caroline, serio você veio ate aqui para jogar essas coisas na minha cara?Nossa que amigona você é.

-Me considera sua amiga?Pensei que eu era mais uma patricinha metida.

-Chega de drama...

-Eu sei que doí, desabafa comigo por favor, sei que nunca desabafou com alguem, isso ajuda mesmo olha...

-Chega, sai da minha casa. - ele levantou do sofá e foi ate outro comodo.
Suspirei alto, ele era dificiul de lidar, era um cabeça dura.Ele me lembrou uma musica de um antigo cantor de rock e aquilo me fez sorrir.Fui ate o comodo que ele foi, eu não ia desistir.Eu podia ver dor em tudo nele, e eu só queria ajuda-lo, eu sabia que ele precisava de ajuda mas ele era muito idiota para admitir isso.Quando o olhei ele estava encostado em uma parede, ele chorava!As lagrimas escoriam por seu rosto.Eu o olhei com o coração partido, meu coração doía.

-Ah droga, sai daqui!Já te mandei sair.

-Will...

-Sai daqui!Não quero ninguém me vendo chorar!

Eu corri e o abracei, suas lagrimas pingavam em minha blusa, ele soluçava.Nunca vi um homem chorar tanto quanto ele chorava para mim.

-Você falou aquelas coisas, as memorias voltaram,a dor voltou...eu tenho que acabar com a dor...

-Você não pode tranquilizar a dor com bebidas ou drogas Will, acabe com a dor desabafando.

-Eu nunca fiz isso Caroline,doí demais...

-Eu irei sempre te escutar...fala.

-Eu vou te contar as coisas por que...quando olho pra você sei que você é diferente de todas as pessoas que conheci, você tem algo...mas tenho medo de estar errado sobre você.

-Eu nunca irei te magoar, confia em mim.

Ele se afastou do meu abraço, agora ele tinha parado de chorar,ele enconstou na parede e começou a me contar sua historia...

-Tudo começou quando eu tinha 10 anos...
Tumblr_lj7gm5kqg91qaqq1vo1_500_large

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Captilo 3 - Novo protetor

Olhei para o relógio eram 5:00 A.M, não ouvi mais musica, estava tudo silencioso.Algo devia ter acontecido.Sai de casa de pijamas em direção ao meu "vizinho" , não havia sinal de que havia acontecido uma festa, tentei abrir a porta da frente para minha sorte estava aberta, entrei devagar e então vi objetos no chão quebrados, garrafas vazias, cigarros, e no centro na sala Will estava deitado em um traviseio.Estava dormindo.Sentei ao seu lado e o cutuquei esperando acorda-lo, mas ele nem se mexeu, peguei uma garrafa que estava ao meu lado, para minha sorte ela ainda continha um pouco de bebida, joguei na cara de Will que acordou assustado.

-Fuck! Por que fez isso? - perguntou ele irritado.

-Sabia que ontem minha mãe quase chamou a policia? - falei ignorando sua pergunta.

-Eu acabei cedo a festa, 2 horas não tinha mais ninguém aqui, eu já tava acordando pra limpar tudo! - disse ele serio.

-Vai limpar tudo de ressaca?Boa sorte! - disse eu sendo irônica.

Ele xingou baixinho e levantou meio cambaleando, pegou um saco preto que estava em um canto e começou a recolher tudo.Ate que ele deixou o saco cair colocou a mão na boca e saio correndo para o banheiro, revirei os olhos e fui limpar o resto da bagunça.Com tudo limpo fui ate o banheiro ver como ele estava.Abri a porta do banheiro devagar, então o vi com a cabeça debaixo do chuveiro.As roupas dele estavam molhadas e deixavam aparecer o físico perfeito dele, olhei para baixo constrangida.

-Agua quente é bom para ressaca - ele disse dando um sorisinho - Só não cura essa dor de cabeça enorme.

-Tenho que ir na escola daqui a pouco, vocêe vai ficar bem?

-Se toca, me cuido melhor do que você pensa.

Olhei para ele, seus olhos estavam vermelhos, o rosto branco, a agua caindo sobre seu corpo, aquele jeito dele independente, forte eu admirava.Eu já estava saindo pela porta ate que ouvi ele me chamar, me virei e ele deu um sorridinho.

-Você fica linda de pijamas!



Ao chegar na escola um pouco atrasada, não deu tempo de fazer minha maquiagem preta, mas tudo bem.Avistei Bruna olhando para cima pensativa, o que ela fazia na escola?Fui ate ela que abriu um sorisinho.

-O que faz aqui sua doida? - perguntei comprimentando ela.

-Vou estudar aqui por um período, para te proteger...

Aquela historia de me proteger me dava nos nervos, eu sabia cuidar de mim mesma, não precisava de anjos como babas.

-Meu disfarce vai ficar perfeito quando Daniel chegar!

-Daniel? - eu perguntei confusa.

-Olha lá ele chegou!


Olhei para a entrada da escola e vi um garoto de cabelos pretos lisos com um visual despojado chegar de skate, ele fazia pose todas as garotas olhavam, ate que ele tropeçou nos cadarços do tênis e levou um tombo na frente de todos.Comecei a rir junto com toda a escola, ele levantou rapidamente e foi ate nosso lado.

-Mo capote eu levei manow!

-Carol esse é o Dan, nos vamos te proteger de agora em diante.

-E ae Carol! - Daniel se abaixou para amarar os tênis.

-Daniel, tem certeza que você é um anjo? - eu perguntei duvidando, anjos não deviam ter equilíbrio?Serem fortes? Daniel parecia ser mais um skatista atrapalhado.

-Eu sou o anjo mais angelical que tu já viu vei!

-Ta agora temos que ir pra aula!Que legal primeiro dia de aula! - dissia Bruna animada, eu dei uma risadinha e mostrei a sala para eles.

No começo da aula sentei com Daniel e Bruna, Júlia ficou do outro lado zangada por eu não ter sentado com ela.

-Carol a Júlia me disse que você ta ajudando um sem teto! - disse Bruna rindo.

-Uia, abriu um azilo? - perguntou Daniel, eu comecei a rir muito alto.

-Ele ta com problemas e eu to ajudando ele...

-Sei a ajuda que tu ta dando safada! - disse Daniel rindo, eu dei um soco em seu ombro.

-Nossa como você é chato! Bruna aonde você achou esse anjo? Na esquina do hospício né?

-Quase isso viu! - disse ela rindo.



O dia na escola pela primeira vez não foi torturante, eu dei muitas gargalhadas, coisa que eu não fazia há muito tempo.Parecia que Bruna sabia do que eu precisava e trouxe alguem para me fazer rir.Estava na esquina de casa e vi Will sentado em frente a casa de Montgomery fumando, eu sentei em frente a minha casa jogando minha mochila ao meu lado.

-Como foi a escola? - ele perguntou depois de soltar fumaça pela boca.

-Ate que foi legal, por inclivel que pareça...ontem ouvi que você tocou em sua festa patience, não sabia que gostava de Guns, muito menos de musicas lentas.

-Você não sabe nada sobre mim, nem eu mesmo sei.

Vi uma ponta de dor nos seus olhos azuis, aquilo me fez encolher e me sentir culpada.

-Então...você conhece seus pais verdadeiros?

-Olha, eu não te conheço o bastante pra falar da minha vida.Não saio ai falando sobre eu pra qualquer um que não entenderia o terço de minha historia.

Suspirei fundo, ele era tão fechado , ele lembrava a mim.Mas ele estava certo, mas eu podia entende-lo, eu queria tanto ajuda-lo.Coloquei a mão em meu pescoço e senti a corrente que Jeffer havia me dado, as lagrimas ameaçavam a vir, suspirei fundo, eu não iria chorar, tinha que ser forte.

-Esta chorando?Eu não pretendia te magoar.

-Não é isso, assim como você tenho uma historia dolorosa que ninguém entende a dor que isso me causa.

Ficamos em silencio por longos minutos, ele jogou o cigarro fora e entrou dentro de "sua" casa.Eu fiz o mesmo em seguida, me joguei no sofá e cai no sono.

"-Rosalinda você não pode se mexer!

Filipe pintava Rosalinda em um quadro, a pintura estava perfeita, parecia uma fotografia, Rosalinda tinha dificuldades para ficar parada.

-Quando você acabar ira colocar em sua galeria?

-Com certeza meu amor, ela sera a obra principal!

Rosalinda riu e voltou a se concentrar.

O sonho mudou, Will aparecia agora, estava de frente para dois homens, um com olhar rancoroso e o outro destemido."

Acordei suando, sonhei com o passado, Filipe tinha uma galeria de arte, era um pintor.Mas a outra parte do sonho eu não havia entendido, que ligação Will tinha com aqueles homens?




Eu empurrei o corpo para a cova que Emily havia feito.Minhas roupas estavam sujas de sangue, eu me sentia mal e pesado.Não era certo matar, mesmo que ele fosse um demônio,a quilo me consumia.

-Matt, bom trabalho!- falava Patricia

-Para uma primeira missão se saio muito bem! - disse Gabriela.

As amigas arcanjos de Emily estavam andando com agente desde que me despedi da praia, eu estava em Washington.Acabara de matar um demônio com minhas próprias mãos e isso me deixara mal.

-Eu tenho uma coisa a fazer agora, juro que não demoro - Emily disse já indo , eu suspirei e comecei a tampar com terra.



Bruna e eu estavamos sentadas em frente a minha casa, tinhamos terminadod e fazer o trabalho da escola e estavamos de bobeira.Logo dava para ver Will vindo da esquina com uma garota de cabelos castanhos ate a cintura, desviei os olhos rapido.

-Aquele é o Will? - perguntou Bruna, e eu acenti com a cabeça. - Acho que já vi ele em algum lugar.

Olheu curiosa para Bruna.Então vi Daniel andando de skate vindo ao nosso encontro.Dessa vez ele não caiu.

-Dan, aprendeu a andar de skate finalmente?

-Rá!Engraçadinha!Aquele não é o sem teto? - perguntou ele apontando para Will.

-é, mas não vai fazer nada Daniel! - advertiu Bruna.

-Tarde demais! Ei Will...- tampei a boca de Daniel ate Will entrar na casa com a garota. - Sua chata!Olha ele já ta te traindo vei!

-Daniel!Ela ama o Jeffer! - disse Bruna irritada.

Eu suspirei e arrumei meu coturno, meus cabelos vermelhos estavam desbotando, tinha que pinta-los novamente...ai não adinatava tentar pensar em outra coisa só Jefer que vem em minha cabeça o tempo todo.

-Jeffer antes lutou por mim.E agora eu lutarei por ele.Farei tudo o possivel para salva-lo.

-É isso ai guria! - disse Bruna alegre e Daniel bateu palmas.De repente Daniel parou e ficou com o olhar distante, depois voltou ao normal.

-Bruna, temos que ir na rua Selfild agora...

- O que aocnteceu? - perguntei assustada.

-O Daniel ele tem o poder de presentimento, ele visualiza um lugar e pode ter certeza que algo acontecera lá...vamos!

-Espera!Eu posso ajudar! - falei decidida.

-Você é humana inutil nessas horas, sinto muito- disse Daniel partindo com Bruna.

Me virei zangada e entrei dentro de casa, minha mãe jpa estava saindo junto de meu pai, eles iriam a lanchonete, disse thau para os dois e me sentei no sofa para assistir TV.Fiquei imaginando Will e aquela garota, não sabia que ele tinha uma namorada.Mas o que eu tinha haver com isso afinal?Ele fazia o que bem entendia, fiquei com uma vontade de entrar lá e o expulsae junto da garota, pois se for pensar a casa era mais minha do que dele.Depois pensei em Dan e Bru, o que será que estava acontecendo?Olhei para meu esmalte preto que já estava saindo e desliguei a TV, não iria cosneguir assitir nada mesmo.

-Uau , que mudança!

Aquela voz, a voz de meus pesadelos...

domingo, 22 de abril de 2012

Capitulo 2- Novo vizinho.

Olhei por longos minutos a foto de Jeffer, eu estava deitada em minha cama prestes a dormir, quando vi que comecei a piscar demais vi que estava na hora de fechar os olhos e dormir, dei uma longa olhada na foto pela ultima vez e coloquei em minha escriva ninha e apaguei a luz.Logo dormi e pude sonhar...

Jeffer caminhava descalço na praia, seu jeans folgado arrastava na areia, sua blusa branca com gola alta era sofisticada demais para ele.Logo ele parrou e sorrio.Emily vinha ao encontro dele com uma garota de cabelos castanhos.

-Está pronto Matt? - perguntou ela jogando os cabelos de lado.

-Sim estou.

Emily sorrio satisfeita, deu uma risadinha e se aproximou de Jeffer, e então ela o beijou...


Acordei gritando, podia ouvir minha mãe vindo ate meu quarto para ver o que aconteceu.

-Estou bem!!- gritei antes dela vir.

-Tem certeza querida?Não quer...

-Não!Vou voltar a dormir!- gritei e ouvi ela voltar ao quarto.

Coloquei minha cabeça enterrada em meu traviseiro e chorei, ela estava enganando ele, deu um nome falso0 a ele, Matt?Que absurdo, como ela pode mentir o nome dele?Mas não era isso que me entrestesia, olhei para sua foto , ao lado da cama, ela havia o beijado, o meu Jeffer não era mais meu, alguem o havia roubado, ele está junto dela, ela está beijando os lábios que tanto amo, aquilo era demais para mim suportar.


-Que safada! - gritava Júlia, estávamos conversando sentadas numa escadaria e eu havia contado todo meu sonho a ela. - Mas sei la Carol, ele ta sem memoria e ela fica pondo mentira na cabeça dele...

-Isso não muda que eles se beijaram!

Júlia e eu levantamos das escadas e fomos andar pela rua.

-Ta agora deixa eu te contar!O Bem me chamou de xuxu na mensagem!E mandou ela as 6:00 da manha!Que menino te mandaria um SMS a essa hora?Um que não consegue dormir pensando em você!

Júlia começou a rir e sussurrar: "xuxu!".Eu parei na rua e olhei para ela seria, ela me olhou sem entender.

-Xuxu é verde,ele estava te chamando de Sherek ou de Inclivel Huck?

Nos nos encaramos, e depois de um longo segundo começamos a dar altas risadas na rua, ate que fomos interrompidas por ouvir uma discussão, logo em frente uma mulher de idade, com uns 43 anos discutia com um adolescente, ao olhar melhor vi que era o garoto loiro da vodka.

-Ele é gato!Mas barraqueiro, prefiro o Bem!

-Acho que conheço ele...

-E você nem me apresenta né?Que grande amiga eu tenho nossa!

Revirei os olhos e vi a mulher entrando para dentro do prédio e ele sentou na calçada.

-Vamos lá dar um oi"- disse Júlia me puxando.

-Não Júlia, eu só falei algumas palavras com ele!

-Não interessa! - ela me puxou ate chegarmos aonde ele estava, ele olhou para cima com aqueles olhos azuis fantásticos.

-A menina da vodka!

-Vodka?! - Júlia me olhou brava, ela parecia minha mãe.

-Ele só esta brincando- eu disse corando - Olha vamos indo Júlia...

-Oi sou Júlia, qual é o seu nome? - Júlia perguntou sorrindo me ignorando.

-Pode me chamar de Will.

-Oi Will!A Caroline é meio tímida liga pra ela não!

-Ah então o nome da patricinha é Caroline?

Argh, ele me dava nos nervos, ele sorria zombando de mim.Eu não tinha nada haver com uma patricinha.

-Idiota! Por que estava brigando com aquela mulher? - eu disse.

-Ela quer me prender nesse inferno e eu me recuso a isso.

Olhei para o prédio e então reconheci era um abrigo para órfãos, nunca me passou na cabeça que ele era um, isso me fez sentir só um pouco de compaixão por ele.

-Daqui a pouco ela chama a policia e eles me faram entrar...

-Isso é horrível!- disse Júlia chocada.

-To acostumado...-disse ele dando um sorrisinho.

-Você não tem lugar pra ficar?

-Não, as famílias que me adotam não conseguem ficar comigo por duas semanas, eu tinha achado um lugar pra ficar , a escola Midletoe depois de todos saírem eu dormia lá, mas fui descoberto.

-Vai ter que arranjar um outro lugar. - disse Júlia.

-Impossível, sua vidinha é muito fácil pra você entender a minha - disse ele rindo.

-Eu posso ajudar - disse eu depois de ficar por muito tempo em silencio sem falar nada. - Em frente da minha casa há uma casa para aluguel a dona morreu e anos, ninguém nunca aluga, ela não tem família então a casa é da prefeitura,e eles nunca vão lá, pode ficar por lá, eu tenho as chaves pois minha mãe administra as pessoas que vão ver a casa...

-Por que esta fazendo isso?A primeira vez que me encontrou eu estava bêbado, a segunda discutindo com uma mulher.Como pode me ajudar se nem me conhece?

-Por que diferente de você eu não julgo as pessoas antes de conhece las.



Ele só trazia uma pequena bolsa nas costas, eu havia pegado a chave da casa e estava abrindo a pequena casa.Ela era meio rustica, a grama estava alta, e cheia de plantas, eu costumava brincar com meus amigos que era uma casa abandonada de uma bruxa.Ao entrar vi que os moveis velhos estavam lá, cheios de pó e enferrujados.

-Lar doce lar? - perguntou Will me olhando.

-Se alguem te perguntar você é o sobrinho da senhora Montgomery!

-Montgomery?Mais que poha de nome é esse? - ele viu que eu estava irritada e olhou para o chão. - Desculpe, ta legal obrigado.

-Não tem de que...agora eu preciso fazer minha lição de casa, qualquer cosia eu estou na casa a frente.

Eu estava indo porta fora ate que ele pegou meu pulso, eu me virei para trás, ele olhou com os olhos azuis penetrantes.

-Eu me enganei, você não é nenhuma patricinha.

Sorri e sai da casa.


Eu estava comendo pipoca no Sofã quando a campainha tocou, corri para atender pensando que era Júlia ou Bruna.Quando abri dei de cara com Will.

-Oi, como você foi legal comigo quero te convidar pra festa de inauguração da minha nova casa!

-O que?!Festa? Você esta louco?Ninguém pode descobrir que você esta morando lá , e você vai dar uma festa?

-Claro!Temos que inaugurar a casa!Olha eu posso te arruma rum amigo meu como agradecimento!

-Você é um louco!Se a policia te prender eu não tenho nada haver com isso! - gritei fechando a porta na cara dele com raiva, ele era um inresponsavel, um insensível.



Mais tarde as 11 horas da noite eu tentava estudar, mas não conseguia com aquela musica alta, eu dei um grito e soquei meu traviseiro.Ouvi minha mãe bater na porta e entrar.

-Filha,você sabe se alugaram a casa da senhora Montgomery?

-Ah, esse som é da casa ao lado mãe...

-Que estranho, estou com vontade de chamar a policia!Esse som esta muito alto!

-Não!!Deixa mãe, esquece!

-Ta bom...filha e o Jeffer?Não teve mais noticias dele? Eu sei que ele se mudou de cidade mas isso não significa...

-Mãe!Por favor, você não sabe das coisas então por favor não fale.

-Eu só...

-Eu tenho que estudar.

Minha mãe saio do quarto irritada, eu dei um longo suspiro, parecia que todos queriam me lembrar de Jeffer.Eu não podia apaga-lo, ele estava em tudo, em todo lugar.

domingo, 15 de abril de 2012

Segunda temporada- Capitulo 1 - Mudanças.


Eu fiquei ali parada, olhando, a cada passo ele se distanciava de mim, a cada passo que ele dava era o caminho para o esquecimento.
Aquela talvez seria a ultima vez que o viria, a ultima vez que eu viria aqueles olhos verdes que me transmitiam amor e proteção.Ele se virou e me olhou com os novos olhos brancos.Não era mais meu Jeffer.Era uma pessoa que eu não conhecia, ou melhor ele não me conhecia.Ele seguiu Emily me deixando ali gritando e chorando, com meus amigos me segurando para eu não correr atrás dele.Se eu corresse atrás dele alguem me mataria, mas eu correria o risco, mas era impossível com pessoas me segurando tão forte.Ele deu sua alma por mim.Eu não poderia aceitar aquilo.Deveria ser mais um de meus sonhos e eu acordaria, logo.Mas eu não acordei.Aquilo era real.Ele se fora.

~1 més depois ~

Caminhava pela rua, era mais um sábado, dia de mais uma busca.Estava com os fones de ouvido ouvindo Guns N' Roses no volume máximo.Parei em frente a uma loja e vi meu próprio reflexo.Meus cabelos agora estavam tingidos de ruivo.Minha maquiagem antes tão leve, hoje carregada de delineador.Estava usando uma camiseta de banda de Rock, minha calça rasgada e meus coturnos surrados completava meu visual.Eu havia mudado.Minhas pulseiras escondiam meus pulsos, e os arranhos da batalha.Suspirei e segui meu caminho.Então logo cheguei ao meu destino.A velha floresta que todo sábado me reunia.Podia já avistar Júlia tagarelando e Bruna olhando pro nada pensando com um envelope na mão..Quando cheguei perto delas me olharam, e Júlia ficou em silencio, elas não disseram nada.Ficaram caladas como de costume.

-Acharam alguma coisa hoje? - perguntei sentando ao lado de Júlia que me chia em sua pulseira que estava escrito: "amor" e a outra: " felicidade" .Como se aquelas pulseiras pudessem realmente transmitirem aquilo.

-Não, estamos na mesma Ogeid esta tentando ajudar também mas esta dificiul. - disse Júlia.

Júlia tinha ficado histérica quando descobriu a verdade, ficou com tanto medo que não queria mais ver nenhum de nos, mas depois de 1 semana ela apareceu pedindo desculpas e oferecendo ajuda.

-Eu tive uma ideia que pode ajudar! - disse Bruna fingindo um sorriso, eu sabia que ela não conseguia sorrir de verdade.

Ela havia ido atrás de Leoni, os dois resolveram ser amigos, Leoni esta se redimindo cumprindo missões e com a condição de ficar longe de Bruna.Eu sabia que isso machucava ela.Eu sabia que ela queria mostrar que tudo estava bem, se empenhar em encontrar Jeffer mas a verdade é que quando nos dávamos as costas a ela eu percebia que ela chorava, chorava e com isso vinha a chuva intensa, relembrando os momentos de tristeza.Mas ela havia se tornado mais forte com isso, aprendido a lição e estava pronta para o que a vida colocaria a seguir para ela.

-Sei que você esta se empenhando em sonhar com Jeffer pra descobrir aonde ele está, mas agora tive uma ideia que pode funcionar!

ela estendeu o envelope para mim, eu o peguei e o abri, lá contia uma foto, mas não uma mera foto qualquer.Era a foto de Jeffer.Ele estava usando seu suéter verde, o boné de sempre, e os jeans folgados.Estava com aqueles olhos verdes lindos olhando para a câmera.

-Olhe pra esta foto antes de dormir, isso fara com que ele fique claramente em seus pensamentos e você sonhara com ele. - disse Bruna.

Percebi que eu não aguentaria e começaria a chorar, então fechei os olhos, me levantei e coloquei a foto no bolso.

-Tenho que ir.

Júlia segurou minha mão me impedindo d e ir emborra.

-Você ainda não se abriu,você só fica se fechando.Isso vai acabar com você Caroline!

-Você não sabe de nada.

Me soltei de Júlia e fui embora.Caminhando com passos longos longe da floresta.


Acabei passando em frente a um shopping, vi algumas garotas com vestidos curtinhos, salto alto e cheias de maquiagem olhando garotos que acabaram de entrar no shopping, e já estavam indo em seguida e se esfregando para cima deles.Ridículo.Tudo aquilo era ridículo.Eu as vezes queria sumir, ninguem sentiria minha falta.Eu só queria esquecer tudo.As vezes tudo o que passei parece só um sonho, parece que Jeffer foi somente um sonho e eu acordei, e a realidade parece um pesadelo.

-Ei cuidado ai!!

Olhei para baixo e vi que derrubei uma garrafa de bebida, e ao lado dela havia um garoto, ele tinha cabelos loiros,pele branca,os olhos azuis estavam um pouco vermelhos,ele usava uma jacketa preta, calça jeans surada e tênis.Ele pegou a garrafa de vodka que estava pela metade e deu um gole eu fiz um som de negação, ele olhou e deu uma risadinha.

-Seu visual não favorece seu jeito de patricinha.

Rosnei, o que ele tinha a ver com minha vida?Para demostrar que eu não era uma patricinha peguei a vodka de sua mão e tomei um bom gole.A vodka passou queimando por minha garganta, não era uma sensação ruim, era boa.Devolvi a garrafa para o loiro e ele deu uma risadinha, revirei os olhos e dei passos confiantes ate minha casa.



Era magnifico apreciar as nuvens naquele local, enquanto ouvia o mar, e sentia a areia sobre minha pele, Emily veio ao meu encontro trazendo minhas roupas seus cabelos loiros soltos brilhavam no sol, e seu corpo perfeitamente bronzeado exibia sua lingerie.

-Apesar de eu gostar de você assim, se não colocar suas roupas sera preso. - disse ela me entregando as roupas, eu comecei a colocalas, e ela me observava. - Amanha as ferias vão acabar, e vamos começar nossa missão.

-Você disse que eu talves me lembrasse do meu passado, mas ainda tudo está um branco.

-Eu disse talves.Olha não importa, eu já te disse, aquela anjinha Bruna roubou sua memoria aquela vez do cemitério, e vamos ter nossa vingança logo.

-E aquela garota que chorava?Ela parecia arrazada...

-O garoto que ela amava foi morto, em vingança Bruna tirou sua memoria!

-Qual é o nome dele?
-Jeffer!

-Por que esse nome me parece tão familiar?

-Chega de perguntas Matt!!

Aquele nome, Matt, não fazia sentido para mim, não parecia ser o meu verdadeiro nome.Mas eu tinha somente Emily, confiava nela, apesar da menina gritando no cemitério não sair de minha cabeça.Depois de acabar de me vestir , Emily beijou meus lábios gentilmente.

-Eu amo você Matt.

-Eu amo você Emily.

segunda-feira, 9 de abril de 2012

2 temporada

Pessoal a segunda temporada do blog vai começar semana que vem, com novos capitulos.Novas aventuras, misterios e mais sobre o passado,presente e futuro de Jeffer,Caroline, Bruna, Julia, Ogeid, Emily e outro.